Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe massacrada

rabiscado pela Gaffe, em 02.09.15

Ginger.png

A Gaffe afirma que ser ruiva é quase tão doloroso como conviver com o penteado de Donald Trump e lembra às feministas que uma cabeleira da cor do fogo é tão limitadora como qualquer soutien digno de fogueira.

Entre inúmeros percalços, a Gaffe escolhe aqueles que tem sofrido estoicamente e prontifica-se a acolher nos seus braços solidários a barba ruiva de três dias de Michael Fassbender.

 

Anotemos alguns pontos:

 

- Há sempre gente que sente necessidade de nos avisar que estamos em extinção;

 

- Há sempre alguém que comenta a cor do nosso cabelo, seja onde for, estejamos onde quer que seja;

 

- Há sempre um estranho que nos aconselha o melhor protector solar que conhece;

 

- Há sempre alguém que diz:  – Olha! A tua futura prole! – quando por nós passa uma criança ruiva;

 

- Há sempre alguém que nos pergunta se a cor do nosso cabelo é natural, mesmo que isso seja tão óbvio que até doa;

 

- Há sempre alguém que nos tenta impingir um outro ruivo;

 

- Há sempre alguém que nos tenta convencer que o nosso cabelo não é vermelho, é alaranjado;

 

- Há sempre alguém que num dia de frio tenta ser engraçado e finge aquecer as mãos no nosso cabelo;

 

- Há sempre alguém que nos pergunta se somos parentes de um outro ruivo que passa;

 

- Quando coramos, perguntam-nos se nos estamos a sentir bem e tentam medir-nos a febre;

 

- Quando sentimos que não vamos longe, porque a cor do nosso cabelo nos prende;

 

- Somos marcadas no facebook em fotografias onde existem objectos avermelhados ou cenouras e laranjas;

 

- Somos, mais tarde ou mais cedo, as ruivas honorárias de qualquer sociedade ou filarmónica;

 

- Deixamos de acreditar que haja alguém a desejar ter um filho ruivo;

 

- Identificamo-nos mais depressa com personagem ruivas da BD, mesmo as mais horríveis, e de imediato com todas as personagens ruivas no cinema;

 

- Provamos que somos ruivas verdadeiras quando apanhamos um escaldão dois minutos depois de termos chegado à praia, enquanto os outros estendem as toalhas;

 

- Apanhamos um escaldão no Outono, mesmo à sombra;

 

- Ficamos demasiado alegres quando nos cruzamos com um rapagão ruivo lindo de morrer;

 

- Respondemos sempre que alguém grita RUIVA! Reagimos sempre, porque pensamos que nos estão a chamar;

 

- Não somos bem, bem ruivas, porque um dos nossos amigos acha que o nosso cabelo é mais cor de ferrugem;

 

- Agarram-nos por um braço e aproximam o rosto do nosso para que se veja como é branca a nossa pele;

 

- O número de pessoas que nos identifica por a ruiva, cresce à medida que crescemos;

 

- Chega sempre o momento em que os velhotes nos acariciam o cabelo com ar de pena;

 

- Quando o nosso blog tem referências, ainda que gráficas, aos ruivos;

 

- Descobrimos surpreendidas que ruiva também pode ser dito com uma ternura imensa e que nessa altura não somos nós as criaturas em vias de extinção. O resto do universo já desapareceu. Apenas fica a voz de quem nos chama. Talvez seja por isso que, se fosse permitido escolher o tom da nossa pele, a cor do cabelo ou a quantidade de sardas que nos povoam o corpo, a Gaffe não hesitaria em permancer tal como é. 

Há vozes com um timbre que nos faz sentir que somos raras, mesmo quando a banalidade também é ruiva.  

 photo man_zps989a72a6.png


11 rabiscos

Imagem de perfil

De Gaffe a 02.09.2015 às 13:59

As ruivas coram imenso!

Tenho aprendido a disfarçar e controlo bastante bem o meu rubor.
Não sou tímida. Não coro por timidez. Normalmente coro com vergonha alheia ou quando faço disparates sem ter disso consciência.

Comentar post




  Pesquisar no Blog

Gui




Casa de férias

Gaffe.jpg