Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe nas escadas de Montmartre

rabiscado pela Gaffe, em 20.10.15

Rue MG.jpg

Nas escadas de Montmartre. Éramos quantos?


Ao cimo das escadas de Montmartre o café escolhido tem redondas mesas.


A altivez da minha irmã. A invulgar beleza da mais estranha mulher que em Montmartre havia. Serpente e tigre fêmea, devastador cataclismo, punhal perverso. Vinha e calavam-se os pardais com medo. O vento erguia-se só para espalhar o perfume preso nos gestos que, contidos nela, tinham o gume das facas, a corrosão do ácido.


A minha prima a explodir. O corpo em carne atenta, em carne arguta. Carnívora e estouvada nas caçadas. Estilhaçava as ruas com o sorriso. Paris rendida, pousava-lhe nos braços bouquets de homens perfeitos. Mulher que não convém aos jantares de gala, porque surge e desvia o rumo do ar que é respirado, sorvendo tudo e todos com o riso.


A minha amiga, branca, branca, branca de alabastro e de olhar verde, cabelos de oiro antigo, mel, madeira. Travessas, travessões, frisados e ondulados, pentes e tranças, ondas, caracóis, madeixas e revoltas, espirais, motins, insurreição. A Renascença inteira no cabelo. Doía de tão profundamente bela!

Andavamos de gôndola branca sob colchas escarlate das varandas, sempre que sorria.

Para agudizar a densidade do mistério, a pairar sobre ela, a eterna suspeita de um incesto.

Exilada em Florença, branca e loira, gelo branco, recolhia as mais dolorosas rosas das mãos dos homens morenos desprezados enquanto na cama antiga de lençóis com rendas o esguio e pálido irmão, nu, adormecia.

 

Há segredos pousados no pescoço dos deuses que fazem da vida um perfeito romance.


O irmão dela. Demasiado alto, demasiado magro e aquilino. O oiro pálido dos cabelos a tapar-lhe os olhos reféns dos da irmã. O fio do ciúme a atar-lhe o movimento, incestuoso e cúmplice. Falava de poetas e amordaçava todas as palavras com os dedos brancos e perigosos.


O meu Amigo, o único latino! Menino só. O único perdido em moreno denso. Meridional rapaz com o mar no peito. Igual ao marinheiro da BD. Herói igual àqueles que ele amava em tiras e palavras desenhadas.  Pedro, o gigante. O Czar das nossas vidas.


E eu a amar.


Éramos quantos nas escadas de Montmartre? Há quanto tempo?!


Figuras soltas na arena de Montmartre a ignorar, voláteis criaturas na tenda colorida, que no circo da vida, Paris é um palhaço.

 photo man_zps989a72a6.png


9 rabiscos

Imagem de perfil

De RAA a 20.10.2015 às 10:50

É curioso, o que me fica do texto, belo texto, não é Paris, mas uma Itália imaginária: um Lírio Vermelho, uma Morte em Veneza...
Imagem de perfil

De Gaffe a 20.10.2015 às 11:10

Com certeza foi das gôndolas loiras e brancas.
Sem imagem de perfil

De Paula a 20.10.2015 às 11:03

Prefiro a "Rue Pas de La Mule"!
Mas a butte é sempre cinematográfica!
Imagem de perfil

De Gaffe a 20.10.2015 às 11:09

Espero também ter sido, um bocadinho.
:)
Sem imagem de perfil

De Paula a 20.10.2015 às 11:21

Claro!
Sentei-me a tomar um café e a ver a vida a passar!
Imagem de perfil

De Gaffe a 20.10.2015 às 11:30

:)
A vida caminhava ao nosso lado.
Sem imagem de perfil

De LL a 20.10.2015 às 12:45

Molt!
Imagem de perfil

De Vitória a 20.10.2015 às 14:22

Belo texto
Imagem de perfil

De Gaffe a 20.10.2015 às 14:55

:)
Merci.

Comentar post





  Pesquisar no Blog

Gui