Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe no barbeiro

rabiscado pela Gaffe, em 13.10.15

barbas.jpgOs homens da vida da Gaffe - os mais sexy do planeta - usam todos barbas.

O avô, um freudiano e respeitável queixo branco que arranhava quando lhe tocávamos. O pai, uma conservadora e grisalha, ligeiramente intimidante, barba cuidadosa. O irmão uma atraente e loira versão de três dias. O Amigo mais querido, uma gigantesca e negra barreira de arame farpado e o rapagão um perfeitíssima arquitectura rasa e escura que faz escurecer os olhos pestanudos.

 

Embora esta rapariga tenha conhecido algumas senhoras que ostentavam bigode e cavalhaque com orgulho, a Gaffe acaba por se tornar uma especialista nesta área que considera essencialmente masculina.

Viveu sempre rodeada de unguentos para a barba, amaciadores para a barba, pentes para a barba, tesouras para a barba, cremes para a barba, loções para a barba e pêlos da dita no lavatório. Os homens barbudos, os homens bem barbudos, aqueles que nos fazem desmaiar de deslumbre quando aparecem a fazer sombra, tapando-nos o sol com o queixo hirsuto, são normalmente descuidados e acreditam que a testosterona que lhe rompe a cara é passaporte para o descuido e deixam sempre danos colaterais no mármore das suas pilosas ablações.

 

Há no entanto que referir que ser-se barbudo não é tarefa fácil de cumprir.

Os suportes exigem modelos diferentes.

Apesar de não contemplar toda a gama existente, um resumo ilustrado vai ajudar a escolher o formato certo. Ora atentemos:

 

barbas.jpg

 É também interessante vasculhar no baú das tontices as denominações de origem. Uma barba não é exactamente um vinho a catalogar ou memorizar, mas embriaga da mesma forma se tiver o travo e os taninos certos.

barbas.jpgA Gaffe, como é bom de ver, gosta de barbas.

É mais do que evidente que esta rapariga é criteriosíssima no que a elas diz respeito, mas confessa a sua desavergonhada falta de exigência quando se esbardalha na frente de um barbudo – mesmo em demasia - que lhe traz o fumo de uma história de um final de Guerra, mesclado com grafismos bem patifes.

barba.jpg

 

 photo man_zps989a72a6.png

Gavetas:


10 rabiscos

Sem imagem de perfil

De Paula a 13.10.2015 às 11:47

Uma barba e um cachimbo, que elegância!
Lá em casa imperaram os bigodes, nunca as barbas (acho que por falta de paciência) e ainda guardo com carinho um pente mínimo que o meu pai usava para aparar o bigode (cenas que revejo com carinho no Hercule Poirot/David Suchet)!
Imagem de perfil

De Gaffe a 13.10.2015 às 12:24

Gosto muito de David Suchet em Poirot, mas não simpatizo muito com bigodes. Fico sempre à espera do resto.
:(
Sem imagem de perfil

De Paula a 13.10.2015 às 12:26

Serão sempre modos diferentes de estar na vida, o da barba e do bigode. Mas ambos têm que ser bem tratados! E o Poirot/Suchet leva tal ao quase impossível, no detalhe!
Imagem de perfil

De Gaffe a 13.10.2015 às 14:59

Concordo, mas continuo a achar que falta qualquer coisa.
:)
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 13.10.2015 às 18:05

Ai, Gaffe, que me fez rir no final do seu post!
Apeteceu-me escrever um palavrão quando "me esbardalhei" com a fotografia deste look de final de guerra.
Não sou grande apreciadora de barbas deste comprimento, mas sim nas de três dias, como a do irmão.
Quanto aos bigodes, diabos, já passou o tempo em que gostei, agora não aprecio mas, raios e coriscos, os meus amores tinham bigode!
E não escrevo mais nada.


Imagem de perfil

De Gaffe a 13.10.2015 às 19:26

Concordo. A barba é demasiado grande, mas ele é tão bonito e está tão bem vestido!

Não vou comentar os bigodes dos extintos namorados...
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 13.10.2015 às 19:43

Adorei o "extintos", ahahahah!
Imagem de perfil

De Gaffe a 13.10.2015 às 19:52

E eu a pensar que o trocadilho passava despercebido!
:)))
Imagem de perfil

De Luís Veríssimo a 14.10.2015 às 02:45

Eu barbudo me confesso!

O meu pai sempre usou bigode (chegou a ter barba, eu não era ainda nascido), ainda o exibe muito orgulhoso e muito bem tratado. O meu avô paterno também usava bigode, um meio bigode aliás (da metade da zona do bigode até ao lábio superior), que aparava de dois em dois dias meticulosamente. O meu mano não usa cá coisas na cara e os meus tios também não. Houve um tio que em tempos usou uma barba (muito desajeitada por sinal) durante um par de anos.
Eu cá sempre gostei de barbas, de a ter e de homens com, tanto é que o meu mais que tudo também ostenta uma (*suspiro*).
Imagem de perfil

De Gaffe a 14.10.2015 às 10:02

Os meus "mais que tudo" usam todos barba.
:)
É tão Bom!

Comentar post




Por força maior, os V. comentários podem ficar sem resposta imediata. Grata pela Vossa presença.


  Pesquisar no Blog