Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe no fio das palavras

rabiscado pela Gaffe, em 19.01.17

primavera.jpg

As palavras deviam ser como instrumentos cirúrgicos prontos a dissecar a alma.

 

As minhas não passam de rombos grosseiros na pele da penumbra. O que dizem, escolhidas à toa, não chega sequer para sonhar entender os mecanismos mais simples dos universos interiores de quem por mim passa. Às vezes, a frustração de não poder dizer a alma dos outros, atinge-me e reduz-me à mais ínfima partícula de nada. Nesses instantes, a percepção da minha impotência diminui-me e transforma a minha mais ténue luminosidade num minúsculo e insignificante ponto de luz, tímido fósforo fraco, a ameaçar o bosque inacabado e inacabável dos sentidos, a tentar aflorar brevemente as tábuas das almas.

 

Misturado com as resplandecentes clareiras e desenhos do sol no solo, é desprezível o fio que vou tecendo, como se de um fio de aranha se tratasse, sem qualquer capacidade de formar a teia e sem aranha e sem insecto e sem lugar onde prender o início e sem qualquer gota de sol que nele se rebata.

 

Nestes momentos de mísera incapaz, as palavras ficam sem abrigo. Nesses instantes eu odeio os livros.

 photo man_zps989a72a6.png


Comentar:

CorretorMais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.




Por força maior, os V. comentários podem ficar sem resposta imediata. Grata pela Vossa presença.


  Pesquisar no Blog