Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe no seu dia

rabiscado pela Gaffe, em 08.03.19

Dia da Mulher

A Gaffe tinha decidido deixar passar incólume o Dia da Mulher.

 

As características, as capacidades, as potencialidades e as qualidades que particularmente neste dia são atribuídas às mulheres e publicitadas em parangonas que fazem o Correio da Manhã parecer um jornal discreto ou um panfleto do Vaticano, dão imenso trabalho a manter e são, se bem aprofundarmos o assunto, uma maçada monumental que permite aos parceiros uma vidinha abençoada.

 

Mas a Gaffe considera lamentável que por entre os quase santificados elogios, óbolos, laudas e sinfonias que hoje são depostos no altar do feminino, se deixe escapar três dos mais importantes dotes que são apanágio da mulher:

 

O decote

As pernas

O beicinho

 

A transformação vulgar que ocorre nas auréolas que nos entregam equiparam-nos muitas vezes a guerreiras. São armas de heroísmo que empunhamos e somos mais do que nós, porque enfrentamos de peito aberto e soutien à vista desarmada a insensatez humana.

 

Tolices.

 

Tudo o que é dito e é hoje apenso a nós, pertence aos mais básicos deveres, obrigações e direitos de todos e não é agradável ou justo confinar esta parafernália de heroísmos apenas a um sexo. Não é exclusiva do feminino.

 

Há no entanto, o decote, as pernas e o beicinho.

 

A Gaffe continua a usar a metáfora bélica e considera que estas três armas fizeram mais pela humanidade e por uma carreira de merecido sucesso do que muitas palavras de Beauvoir.

 

É uma tontice condenar o uso destas três jóias como desviante, indecente, indigno, abjecto, grosseiro e mercantil ou adjectivá-lo com a colecção de mimos usados por moralistas de pacotilha. Um decote, um erguer de sobrancelhas tristes a companhar um mimado trejeito de boquinha e duas pernas bem usados, apenas manipulam a idiotice do poder, apenas usam em proveito próprio a mediocridade do homem. Se coadjuvam a nossa ambição e nos permitem agarrar o que nos é negado, mesmo sendo nosso por direito, é porque a vítima não merecia sequer ser confrontada com os mais simples argumentos da inteligência.

 

Recusar o uso de três armas únicas e decididamente femininas em nome de um feminismo musculado, é pateta, constitui um erro de estratégia e é abdicar de uma das mais eficazes formas de controlar, dominar e vencer a patetice dos machos.

Se Deus nos deu voz, foi para cantar, mas se nos deu um decote, umas pernas perfeitas e a capacidade de convencer através do beicinho, não foi proprimente para regozijo mais ou menos lúbrico dos homens. Foi para anexar ao outro equipamento e usar quando nos convém.

 

Minhas queridas, recusar o uso das armas que são exclusivamente nossas, é acabar como Frida Kahlo: de bigode, de sobrancelha única, paralíticas e, para desgraça nossa, tudo isto sem o seu talento.

 

Ilustração - Fernando Vicente

 photo man_zps989a72a6.png


Comentar:

CorretorEmoji

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.





  Pesquisar no Blog