Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe nos festivais

rabiscado pela Gaffe, em 04.03.19

Anton Semenov.jpg

Admito que me passou despercebida a edição deste ano do Festival da Canção. Tive mesmo de recorrer à memória dos aparelhos para ouvir e ver o vencedor. Concentro-me neste, por não ter conhecimento dos restantes.  

 

Diz-me um entendido bastante irritado que os instrumentos tocam num tom diferente daquele que Conan Osiris usa para cantar e que essa discrepância arranha e arrepia ouvidos mais conservadores e mais clássicos. Em seguida sublinha - num discurso que não me cativa - o desencontro ente a melodia e a harmonia na canção do intérprete levemente steampunk. Salvaguarda a consciente intenção destes factos, mas rejeita o resultado, reservando, no entanto, a clara possibilidade de vitória dos telemóveis no Eurofestival, exactamente pela estranheza destes desencontros inabituais e pela amálgama de timbres que correm pelo fado, pelo Magrebe, pela Andaluzia, pelo tecno e por onde o demo perdeu as botas ao fugir da canção das meninas do ano ultrapassado.

A letra da canção é igualmente inesperada - não tão parva como uma primeira leitura faz parecer -, mas esse factor não conta quando temos a coragem de traduzir os representantes dos outros países eurovisíveis.

 

Contrariando a opinião muitíssimo favorável que formei quando das primeiras vezes ouvi a voz fascinante de Conan Osiris, desta vez o homem, que alguns afirmam ser um cruzamento entre Amália e Variações, não me arrancou grande aplauso.

 

Aborreceu-me. Senti-me uma criaturinha ameaçada pelos bichos da estranheza.

 

É evidente que achei mimosa a inclusão mal engendrada de elementos steampunk nos visuais dos rapazes, mas assumo que senti um ligeiro desconforto - preconceituoso, como é evidente -, ao assistir à dança do muito bonito rapazinho que acompanha o correr da canção com alguns passos autodidactas.

 

Desliguei-me em definitivo da ocorrência logo após o discurso um bocadinho apatetado do intérprete. Já não há paciência para novas versões de Salvador Sobral.

 

A possibilidade de vitória - ou pelo menos de uma bela classificação -, de Portugal no certame deste ano em Tel Aviv - não sejam parolos, escreve-se desta forma, não unindo Tel, Monte, a Aviv! -, não é de descartar. Conan Osiris surge como aquele elemento anómalo que desperta sempre a atenção do público quando encontrado numa cadência repetitiva de componentes iguais.

 

O acontecimento Telemóveis permite forçar a ousadia de se fazer a ligação a alguns acórdãos judiciais actuais que brotam da Bíblia - às duas ocorrências é dado igual destaque e igual importância nas redes sociais, logo a minha desfaçatez não gera anomalia.

A melodia não está em consonância com a harmonia, o tom da orquestra não é concordante com o tom do intérprete e o resultado - sejamos brandos - não é consensual. Temos indícios dos velhos tempos de Amália nas duas situações, temos Variações que causam algum dó e sobretudo encontramos alguns artefactos em comum - que num caso cobrem as bochechas e no outro os olhos; que num caso seguram o queixo, no outro deixam que o queixo nos caia; que num caso são performance de falanges artísticas e que no outro fazem com que as falanges, as falanginhas e as falangetas de facínoras continuem a ser armas e crimes cobertos por colarinhos jurídico-legais.

Evidentemente que se num caso damos graças e exultamos por termos a vantagem de Conan Osíris andar a trair com outras Evas musicais as clássicas normas orfeicas instituídas no templo e no tempo de Adão, no outro devemos dar graças pelo facto dos acórdãos se basearem na Bíblia - que apedreja - e não no Código de Hamurabi, só um bocadinho mais atrás, que condena as adúlteras à morte por afogamento. Uma morte bem mais limpa.

 

É evidente - apesar de não o ter ainda referido -, que existe mais um elo útil entre estes dois casos. Se não conseguirmos ouvir Conan Osiris, temos sempre à solta a possibilidade de nos romperem os tímpanos à chapada.  

 

Ilustração - Anton Semenov

 photo man_zps989a72a6.png


8 rabiscos

Imagem de perfil

De Ju & André a 04.03.2019 às 12:28

Conan Osiris é no mínimo estranho. Isso é o ponto fundamental para a nossa sociedade actual. Somos milhões de pessoas repetindo os mesmos formatos e padrões, por isso quando são quebrados conceitos conseguem-se atenções!
Neste momento tem mais valor e mérito um individuo que aposte em cantar uma coisa que marque pela diferença, mesmo que a diferença seja a coisa mais parva e sem sentido possível, do que um talento vocal e uma boa letra.

O festival da canção e o Eurovision Song Contest estão actualmente formatados para a "inclusão" e orgulham-se disso! Portanto, por que não esperar mais uma vitoria portuguesa?


Ps: A sonoridade desta musica é muito discutível, mas o resto até doi! :D
Imagem de perfil

De Gaffe a 04.03.2019 às 13:22

Sim. Concordo.
Gosto francamente de Conan Osiris. Gosto do timbre vocal. É-me indiferente a alegada estranheza. Afinal, a função do rapaz é tentar seduzir-nos com o canto. Comigo consegue.O resto são assessórios. Parvos, alguns, outros talvez menos, mas mesmo assim descartáveis.
O bailarino custa muito a compreender.
:)
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 04.03.2019 às 14:00

Não gosto de ver o Festival da Canção.
Por acaso, vi a votação, decidi ouvir a interpretação de Conan Osíris, gostei de o ver no Cinco para a Meia Noite, gostei da conversa, desconhecia a canção, fui ouvir a canção no youtube.
Gostei da voz, somente.
Mas como a diferença é apelativa, quiçá obtenha um bom lugar.
Imagem de perfil

De Gaffe a 04.03.2019 às 14:37

Sim.
Tem uma voz interessantíssima e acredito que arrancará um lugar de destaque.
:)

Afinal, "o resto são cantigas".
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 04.03.2019 às 22:08

Para além da polémica.
Para além da música.
Para além do bailarino.

Para além disso tudo, o que me inquieta é saber o que é que utensílio de cozinha irá ele levar para o festival.
; )
Imagem de perfil

De Gaffe a 04.03.2019 às 23:27

Desde que não use utensílios do wc...

Sabes que até simpatizo com o movimento steampunk, mas aquilo ficava bastante aquém, se a intenção era sobrevoar a ideia.
:)
Imagem de perfil

De Rui Pereira a 04.03.2019 às 23:57

Gosto da música, da voz, do experimentalismo, da fusão...
O discurso pejado de estrangeirismos, chateia-me um bocadinho...
Que cante!
Imagem de perfil

De Gaffe a 06.03.2019 às 11:01

Sempre receei as fusões na música. Raramente me soam bem!

Que cante e, se possível, que encante.

Comentar post




Por força maior, os V. comentários podem ficar sem resposta imediata. Grata pela Vossa presença.


  Pesquisar no Blog