Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe num abraço

rabiscado pela Gaffe, em 15.09.15

L.& M..JPG

Chove nos vidros duplos da janela. Uma chuva sem gargantas.  


Ontem a minha irmã, chegada de longe como a chuva, abraçou-me. Encostou-me a cabeça ao ombro dela. Senti-lhe os dedos frios no cabelo e um alfinete em forma de pássaro a magoar-me a cara.  
Chove e a minha irmã abraçou-me ontem. Ou talvez não tenha sido ontem ou talvez nem sequer esteja a chover, mas o pássaro de olhos de pérola a voar-lhe sobre a clavícula continua na minha cara a magoar-me, a mim, que sou o pássaro de olhos sem pérolas preso por um alfinete aos tecidos dos casacos. 
Na minha cara e na clavícula dela, eu e o pássaro, presos pela chuva sem garganta e um alfinete que não vejo, a reter as migrações das aves. 
Em mim, que já recusei abraços e onde não chove nunca uma voz presa.

 
et je suis comme un oiseau mort quand toi tu dors 
(Brel - numa das paredes da Sorbonne – Maio de 68)

 photo man_zps989a72a6.png

Gavetas:


4 rabiscos

Imagem de perfil

De Gaffe a 15.09.2015 às 16:28

Há alguns abraços que se tornam um perigo.
:)

Comentar post





  Pesquisar no Blog

Gui