Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe num sussurro

rabiscado pela Gaffe, em 12.04.16

1.jpg

Como se a mansidão atapetasse os corredores do tempo e a brandura dos gestos se tornasse corpo decifrável, as manhãs em que ele chega tornam-se palpáveis. Como se o silêncio fosse mais pesado. Como se o som da minha vida estendesse mantas de veludo nos meus olhos.  
O sorriso do rapagão ao meu lado, calmo, reflecte a melodia terna da bonança e de súbito eu cresço e sou melhor do que eu ao lado dele, maior do que eu, igual a mim, maior do que seria ser sem o ter ao lado.  
Chega e eu fico a ver até que a mão gigante toca a minha. Os dedos agitados à procura da memória dos meus, do meu corpo que se lembra.

 

A melodia no espaço. A noite com frouxos farrapos de frio e de cristal e a voz de Jacinta. 

Mesmo à flor das águas 
Noite marinheira 
Vem devagarinho 
Para a minha beira 

 

Fico de pé a ouvir.  
Lento o braço dele vem demorar-me nos ombros. Na minha nuca o calor da boca e o meu sussurro igual ao do piano que lamenta a solidão que sente por não ter ao lado o som do saxofone.  
E a noite vem beijar a alvorada que murmuro: 

 

Dorme meu menino a estrela d'alva 

Já a procurei e não a vi 
Se ela não vier de madrugada 
Outra que eu souber será p’ra ti

 photo man_zps989a72a6.png

Gavetas:


2 rabiscos

Imagem de perfil

De Maria Araújo a 13.04.2016 às 19:45


Belo!
Imagem de perfil

De Gaffe a 13.04.2016 às 20:33

Ele é!

:)*

Comentar post





  Pesquisar no Blog

Gui