Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe observadora

rabiscado pela Gaffe, em 05.05.14

Não é por falta de observação que estamos cegos:

 

Observatório Permanente da Juventude

Observatório dos Medicamentos e dos Produtos da Saúde
Observatório Nacional de Saúde
Observatório Português dos Sistemas de Saúde
Observatório Vida

Observatório do Ordenamento do Território
Observatório do Comércio
Observatório da Imigração
Observatório para os Assuntos da Família
Observatório Nacional da Droga e Toxicodependência
Observatório Europeu da Droga e Toxicodependência
Observatório Geopolítico das Drogas
Observatório do Ambiente
Observatório das Ciências e Tecnologias
Observatório do Turismo
Observatório para a Igualdade de Oportunidades
Observatório da Imprensa
Observatório das Ciências e do Ensino Superior
Observatório dos Estudantes do Ensino Superior
Observatório da Qualidade em Serviços de  Informação e Conhecimento
Observatório da Comunicação
Observatório das Actividades Culturais
Observatório local da Guarda
Observatório de Inserção Profissional
Observatório do Emprego e Formação Profissional
Observatório Nacional dos Recursos Humanos
Observatório Regional de Leiria
Observatório Permanente do Ensino Secundário
Observatório Permanente da  Justiça

Observatório Estatístico de Oeiras
Observatório da Criação de Empresas
Observatório Mcom
Observatório Têxtil
Observatório da Neologia do Português
Observatório de Segurança

Observatório do Desenvolvimento do Alentejo
Observatório de Cheias
Observatório da Sociedade de Informação
Observatório da  Inovação e Conhecimento 
Observatório da Qualidade em Serviços de  Informação e Conhecimento
Observatório das Regiões em  Reestruturação

Observatório das Artes e Tradições
Observatório de Festas e Património
Observatório dos Apoios Educativos
Observatório da Globalização
Observatório do Endividamento dos Consumidores
Observatório do Sul Europeu
Observatório Europeu das Relações Profissionais
Observatório Transfronteiriço Espanha-Portugal
Observatório Europeu do Racismo e Xenofobia
Observatório dos Territórios Rurais
Observatório dos Mercados Agrícolas
Observatório Virtual da Astrofísica
Observatório Nacional dos Sistemas Multimunicipais e Municipais
Observatório da Segurança Rodoviária
Observatório das Prisões Portuguesas
Observatório Nacional da Diabetes
Observatório de Políticas de Educação e de Contextos Educativos
Observatório Ibérico do Acompanhamento do Problema da Degradação dos Povoamentos de Sobreiro e Azinheira
Observatório Estatístico
Observatório dos Tarifários e das Telecomunicações
Observatório da Natureza
Observatório Qualidade
Observatório da Literatura e da Literacia
Observatório da Inteligência Económica
Observatório para a Integração de  Pessoas com Deficiência
Observatório da Competitividade e Qualidade de Vida
Observatório Nacional das Profissões de Desporto
Observatório das Ciências do 1º ciclo
Observatório Nacional da Dança
Observatório da Língua Portuguesa
Observatório de  Entradas na Vida Activa
Observatório Europeu do Sul
Observatório de Biologia e Sociedade
Observatório Sobre o Racismo e Intolerância
Observatório Permanente das Organizações Escolares
Observatório Médico
Observatório Solar e Heliosférico
Observatório do Sistema de Aviação Civil
Observatório da Cidadania
Observatório da Segurança nas Profissões
Observatório da Comunicação Local
Observatório do Jornalismo Electrónico e Multimédia
Observatório Urbano do Eixo Atlântico
Observatório Robótico
Observatório Permanente da Segurança do Porto
Observatório do Fogo
Observatório da Comunicação (Obercom)
Observatório da Qualidade do Ar
Observatório do Centro de Pensamento de Política Internacional
Observatório Ambiental de Teledetecção Atmosférica e Comunicações Aeroespaciais

Observatório Europeu das PME
Observatório da Restauração
Observatório de Timor Leste
Observatório  de  Reumatologia
Observatório da Censura
Observatório do Design
Observatório da Economia Mundial
Observatório do Mercado de Arroz
Observatório da DGV
Observatório de Neologismos do Português Europeu
Observatório para a Educação Sexual
Observatório para a Reabilitação Urbana
Observatório para a Gestão  de Áreas  Protegidas
Observatório Europeu da Sismologia
Observatório Nacional das Doenças Reumáticas
Observatório da Caça
Observatório da  Habitação
Observatório do Emprego em Portugal
Observatório Alzheimer
Observatório Magnético de Coimbra 

 

O negrito é meu, só porque achei os observatórios destacados mais dignos de inclusão numa qualquer corrente surrealista com pancada cerebral.

  

 photo man_zps989a72a6.png

Gavetas:


27 rabiscos

Sem imagem de perfil

De 7+3 a 06.05.2014 às 00:12

Tantos :) e mesmo assim não sei se estão todos.

O Observatório do Quadro de Referência Estratégico Nacional, muito importante com certeza para ajudar a engrossar a corrente surrealista.

Quando a mim rapaz burro, bronco, mal educado, etc.. o principal observatório para ajudar a que não fosse de observação que estão os políticos cegos (é óbvio que se contagia ao "povinho")
É o que vou descrever a origem da palavra, creio que das mais usadas pelo menos em certos círculos.
Claro que nunca ousaria em família ou em público mas penso que escrito soa diferente e penso também que aqui é tudo maior se idade:)))
Segundo autores conceituados, nomeadamente da Academia Portuguesa de Letras, a palavra caralho designava a pequena cesta que se encontrava no alto dos mastros das Caravelas, também conhecida como Gávea. Era dali que os vigias perscrutavam o horizonte em busca de sinais de terra. Dada a sua situação, o caralho era um lugar muito instável pois era onde se manifestava com maior intensidade a oscilação e o rolamento lateral da embarcação.
Este local, nada agradável, era também e por isso mesmo considerado lugar de castigo e para aí eram mandados os marinheiros que infringiam alguma das normas vigentes a bordo. O prevaricador era então obrigado a cumprir horas e por vezes até dias inteiros no caralho e, quando descia, vinha tão mal disposto que se mantinha quieto por uns tempos.
Sendo assim, Caralho "é o nome original do mastro acima da Gávea"...então, a Gávea era também conhecida como, a casa do caralho. Assim o comandante mandava o marinheiro para a casa do caralho...dai a origem da expressão, mandar para o caralho. Com o tempo a palavra passou a designar uma miríade de coisas, sentimentos e pessoas, bem do nosso conhecimento... se bem que naqueles tempos não era bem com a conotação de que se tem a intensão nos dias de hoje.
Na minha modesta opinião era dum observatório deste gabarito onde os nossos "distintos governantes" se deveriam ir refrescar a ver se as ideias começam no mínimo a ajudar a melhor este pobre país que já foi rico.
Quero também dizer que não gosto de política, até fui obrigado a conviver com um(até aos quinze anos de idade), nem esquerdas nem direitas.
Sou forçado a seguir as minhas próprias políticas que são principalmente tentar ser compreensivo, responsável, amigo, (nos dias em que a vida me permite ajudar alguém vou para a cama muito mais tranquilo).
Desculpe quem lê este cometário mas ao ter conhecimento que os nossos impostos andam a servir para "tanta observação"não resisto a mandar os responsáveis para a gávea.

"Ruivita" quando achar algum comentário meu, despropositado ou inconveniente, por favor apague.

É que estive aqui quase uma hora a pensar se publico ou não ...

Está publicado, beijinho, e desculpe mais uma vez...
Imagem de perfil

De Gaffe a 06.05.2014 às 09:27

São imensos! Creio que não foram todos enumerados.

Não devia ter hesitado tanto em esclarecer o origem da palavra. Não sei se sabe, mas sou irmã de um engenheiro físico (não pergunte o que significa ou o que faz, porque é um mistério para mim). O rapaz estufou oscilações, ventos, sismos, marés, forças, edifícios,... ... ...
Não imagina a alegria com que me falou na origem da palavra!

Há já algum tempo que costumo mandar aqueles que me maçam ou aborrecem passar uma temporada no cesto. Ficam espantados, mas acabam por sorrir e lá vão eles...
;)
Sem imagem de perfil

De 7+3 a 06.05.2014 às 09:46

Constato que temos algumas coisas em comum para além do sangue que nos corre nas veias, o meu era engenheiro mecânico, foi professor de resistência de materiais, utilizou mal na minha maneira de ver tanta inteligência ,era de facto genial, não tinha paciência para as minhas tontices o que provocou muitíssimos atritos, mas também alguns bons momentos, a doença do costume acabou com ele perto dos 60 anos.
Sem imagem de perfil

De 7+3 a 06.05.2014 às 10:02

Tenho de voltar atrás, estava a falar do meu pai, só tenho uma irmã,
é advogada (não me dou mal com ela) mas acho que em relação a inteligência é mediana, desculpa mana tu sabes que eu sempre fui um mauzão:))
Eu evito me dar mal com as pessoas , qualquer coisa que fui desenvolvendo com o passar dos anos, quando sinto aquele cheiro que pode indiciar qualquer coisa de menos boa.. já desapareci.
Estou a referir-me obviamente a pessoas que conheço mal não ás que conheço faz anos essas já estão todas devidamente catalogadas :)) e algumas arquivadas em arquivo morto ou não :))

Comentar post





  Pesquisar no Blog

Gui