Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe orgulhosa

rabiscado pela Gaffe, em 09.07.15

ingres-napoleon.jpgDe acordo com o especialista, tenho de depurar aquilo que faço passear por estas avenidas. Decepar os adjectivos, decapitar os advérbios e anular as metáforas, tentando ao mesmo tempo desviar-me dos clichés e das frases feitas. Só dessa forma poderei almejar um dia fazer de conta que escrevo como o que se lê aqui.

A verdade é que passo de rajada pelo calcetado destas avenidas. Não há motivo de orgulho no desenho que vou fazendo com as pedrinhas das palavras.

 

Felizmente.

 

Das várias espécies de orgulho, apenas uma é salutar. As outras transformam-se a curto prazo em soberba.

O orgulho é impiedoso. Não estanca deslumbrado perante o que fizemos, dissemos ou pensamos. Responde a uma exigência e nada mais é do que a confirmação do que somos, realizados naquilo que produzimos. Não nos considera grande coisa. Cumprimos o que esperávamos de nós. Torna-se implacável e quase assassino, disfarçado muitas vezes de abatimento e de opróbrio, quando falhamos. Faz com que o cirurgião, por exemplo, chore desalmado escondido numa retrete nauseabunda por não ter conseguido salvar o paciente e castiga-o de modo subtil fazendo com que se torne obrigatório ser o choramingas a comunicar a notícia àqueles que esperavam um milagre ou manipula a palavra profissionalismo enfiando-a na boca do polícia que nada mais faz do que cumprir um dever com a qualidade que se espera óbvia, protegendo a criança da sanha violenta do colega, mas que apesar de tudo é evidentemente maior do que a dos companheiros de infortúnio, espectadores inertes.

 

O orgulho, o que vale a pena, é um factor de prevenção. Permite que evitemos cometer erros. Protege-nos. Ergue-nos, endireita-nos a coluna. Com a coluna erguida é muito mais difícil entrar nas caixinhas da traição, da mentira, da intriga, da mesquinhez e das tantas outras coisas que rastejam. 

 

O orgulho, o que vale a pena, não se ergue daquilo que fazemos, dizemos ou pensamos (talvez, nestes casos, dê lugar a uma vaidade que é sempre um fogo fátuo). É outro virar de cabeça para trás. Olha o que somos em retrospectiva, porque sabe que somos sempre uma fusão do passado. Geração atrás de geração, atrás de geração, atrás de geração, mas indiferente ao facto de chegarmos até Napoleão ou pararmos no avô que nos pariu, o orgulho adquire neste recuo uma das suas componentes imprescindíveis. A vergonha.

 

É este orgulho facetado que impede a desonra de aviltarmos o que se reflecte no espelho quando nele tombamos. Não somos Alice num país de maravilhas, somos os que nos precederam todos juntos e o orgulho sabe que só o passado é eterno.

 

Imagem - Jean Auguste Dominique Ingres

 photo man_zps989a72a6.png


7 rabiscos

Imagem de perfil

De Maria Araújo a 09.07.2015 às 23:13


Ontem, li o post em questão mas, sinceramente, não me disse nada, nem sequer me apeteceu comentar.
Imagem de perfil

De Gaffe a 10.07.2015 às 09:25

Creio que cruzamos informação errada.
Não li nada ontem que originasse este post. Está solto, como todos os outros.
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 10.07.2015 às 13:05


Vou ter de ler o post que me induziu em erro.
Imagem de perfil

De J.S.M.suave e nas tintas a 10.07.2015 às 07:15

Obrigado. Graças a si, acabei de descobrir um excelente blog. È a vantagem de estar bem acompanhado.
Cumprimentos
Imagem de perfil

De Gaffe a 10.07.2015 às 09:20

Sempre às suas ordens.
É talvez o melhor blog que sigo.
Sem imagem de perfil

De S. White a 10.07.2015 às 23:08

Bah, essa gaja é um bocado overrated.
(Obrigada :D)
Imagem de perfil

De Gaffe a 10.07.2015 às 23:54

É um "gaja" extraordinária.

Comentar post





  Pesquisar no Blog

Gui