Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe ortográfica

rabiscado pela Gaffe, em 22.09.14

Antes de tudo, convém referir que sou doutora Honoris Causa no assunto que me traz aqui.

Raras são as criaturas que como eu foram surpreendidas pela transcrição integral de um post seu num blog que destacou a vermelho os erros que ali foram cometidos. Embora não se reportasse à ortografia, a cor que fazia sobressair as gralhas que se limitavam a erros de concordância – numa frase feminina estaria escrito dois em vez de duas – gritava também numa pretensa análise literária, que se não fosse tão patética seria presunçosa, onde a correctora apontava os vocábulos que deveriam ser extraídos do texto e refazia frases que não tinha entendido ou que lhe desagradavam pela formulação escolhida. Um remoque digno de figurar nos anais do absurdo e do ridículo ou, de forma mais minimal, nos anais, simplesmente.    

Posto isto e provado o estatuto de privilegiada nestas andanças correctoras, volto com redobrada atenção a ler a Gaja.

É evidente que Dos erros é um texto inteligente, com um humor invejável, eficaz, certeiro, arguto e que tem a sorte de ser primorosamente ilustrado nos comentários apensos. Tem outras qualidades que me abstenho de referir, porque devo moderar os adjectivos.

Creio no entanto que poderá conter um aspecto perverso a não descurar.

Ninguém quer pertencer a qualquer um dos grupos de correctores ali apontados e caracterizados.

Os comentários feitos revelam uma opinião pouco lisonjeira acerca dos que nos vão apontando as falhas ortográficas. Admito ser desagradável dizerem-nos que o á que escrevemos humilha o verbo haver ou que encontrastes modo de contaminar uma frase inteira, mas acelerar quando se avista o atropelado, não é na esmagadora maioria dos casos a atitude mais certa.

É divertido o modo como no Dos erros é visto o corrector, mas acaba por fazer com que me retraia quando me deparo com uma calinada alheia, receando a minha inclusão num dos grupos desenhados com ácido pela Gaja ou que me distancie por completo do erro cometido, num silêncio que acaba por ser cúmplice.    

Pode ser sugerido este silêncio? É justificado o assobiar para o lado? Será suficiente sentir vergonha alheia? De que forma é aceitável indicar a alguém um erro ortográfico? Como o fazer sem encarnar na desagradabilíssima figura de censor mofento? De que forma escapar à classificação da Gaja? Deixar incólume o prevaricador ou apontar-lhe a faca do correcto?

 

Confesso que não sou uma rapariga corajosa quando embato com um texto em que os erros ortográficos, os erros de pontuação ou os erros de sintaxe e semântica transformam uma frase num cenário de pós-guerra.

Fujo.

Nunca mais volto ao campo daquela batalha perdida e tremo ao pensar que também eu posso disparar sem ter mira segura, mas eu sou uma miúda muito frágil e tenho muito medo de granadas. 

 

cartoon de Henrique Monteiro 

 photo man_zps989a72a6.png


8 rabiscos

Imagem de perfil

De fraufromatlantida a 23.09.2014 às 10:00

Depois de grande ausência, cá estou eu, a comentar. Apenas para dizer que ainda não tive coragem de corrigir vários erros da minha cunhada (que até é pessoa que lê bastante...) sendo o mais comum "haverem", no lugar de "haver". Acho que nunca vou ter coragem...
Imagem de perfil

De Gaffe a 23.09.2014 às 11:49

Eu entendo! Como eu entendo!
Mas não ficas com um peso na consciência?!
Imagem de perfil

De belitaarainhadoscouratos a 23.09.2014 às 14:02

Vejo erros diariamente em contexto de trabalho. Não corrijo. Mas é tanta gente a cometê-los que o meu medo é que pensem que eu é que não sei escrever...
Imagem de perfil

De Gaffe a 23.09.2014 às 14:05

Não os corriges porquê?
O acordo ortográfico parece ilibar tanta gente.
;)
Imagem de perfil

De Gaja a 23.09.2014 às 14:07

Gaffe, talvez ao meu texto (dado ao exagero como muitos que escrevo) tenha faltado um pormenor: é que os "Correctores" retratados englobam muitos outros, não apenas os ortográficos. Há quem passe pela vida sem deixar muito rasto de si, apenas constantes correcções e ajustes da vida alheia.
Pelo excelente blog que escreve não me parece de todo o seu caso e sendo assim, sinta-se à vontade de me corrigir sempre que for caso disso (seria uma honra:))

Bj da Gaja
Imagem de perfil

De Gaffe a 23.09.2014 às 14:18

Eu creio que entendi o alcance do seu post e exactamente por isso o reli e o dei como referência.
Estou ao seu lado quando aponta os que atravessam a vida sem deixar uma sombra que não seja a que assombra a vida dos outros. Há muitos e conheço alguns, mas normalmente vivem menos do que pensam e acabam por provar que os velhos abutres alisam as asas também roçando-as em nós.

Fico muito orgulhosa por a ter aqui.
Imagem de perfil

De Quarentona a 23.09.2014 às 15:58

Apesar de dar as minhas calinadas, já fui uma corretora... deixei-me disso no dia em que educadamente corrigi uma colega minha e ela, fulminando-me com o olhar, me diz: "Cada um diz como quer!"... E viva a Democracia, pá! Até na eloquência
Imagem de perfil

De Gaffe a 23.09.2014 às 16:07

Pois!
A "democraciazinha" é uma coisinha muito feia e muito tola.

Comentar post




Por força maior, os V. comentários podem ficar sem resposta imediata. Grata pela Vossa presença.


  Pesquisar no Blog