Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe predadora

rabiscado pela Gaffe, em 14.05.15

heart.jpgÉ tão bom poder observar sem as interferências do costume, sem o burburinho banal que é livre e que rasteja nos dias a que chamam úteis e em que são obrigadas a outros ataques bem menos perigosos, o modo de caçar das mulheres em que a crueldade desalmada inclui o maior desprezo pelas vítimas. 

 

Felinas na caçada.

Nelas o desejo de agarrar irrompe como labareda. Com o tempo aprendem a controlar a área atingida e a circunscrever, a delimitar, o perímetro de ataque. Desta forma, nunca os terrenos limítrofes acabam calcinados. Os seus planos de ataque contemplam cirurgias de topo e estratégias quase cínicas de tão geladas, quase impudicas de tão calculadas.

 

Esta aprendizagem leva menos tempo do que se esperaria. Aprendem depressa a esperar de garras recolhidas, contra o vento, aninhadas no desespero que é querer rasgar a vítima, mas a perceber que nem sempre é tempo de gamos tontos, distraídos, de pescoço inclinado e limpo, de jugular à vista. Assimilam esta aprendizagem com a perícia dos sobredotados e as emboscadas são agora antecâmaras de festim seguro.

Há, no entanto, uma ligeira lacuna neste caçar certeiro e implacável. Nem sempre detectam o milésimo de segundo em que se pode e se deve desferir o golpe derrubando o corpo que resistirá se perdida essa ínfima fracção de tempo imprescindível ao ataque. Chegam muitas vezes extenuadas ao fim da luta. Com a vítima nas garras, o sabor da carne nos caninos, mas já quase sem fome. Entediadas.

 

Se as caçadas são certeiras, violentas apenas porque deixam em ruínas as almas apanhadas, é só porque a perícia do ataque resulta do pressentir do momento em que a vítima se distrai, desvia, deriva, afasta e se entrega imprudente ao outro lado do perigo, àquele que confunde com um lugar seguro. Então saltam e mordem a jugular, matando.

 

Espreitam. Espiam. Esperam.

 

Há sempre uma imperceptível faísca incolor nos olhos do que se quer. Dura uma fracção de tempo indefinida e de tão breve é quase imperceptível, mas as mulheres percebem que a conseguem ver a trucidar o céu daqueles que sabem degolar. Quando a vislumbram, levantam a pata de garras distendidas e abocanham a presa.

 

São predadoras de topo, carnívoras muitas vezes sebentas e sempre sedentas. Rasgam de forma idêntica os tendões às vítimas e abandonam sempre os corações.

 

Existe apenas uma diferença entre elas no modo de caçar: Umas atacam ao pressentir a distracção ténue da presa, enquanto outras a imolam no exacto e infinitesimal instante em que a vigilância entrevê o perigo.

 

Normalmente a solidão agrada-lhes como um lugar sem dor. 

 photo man_zps989a72a6.png

Gavetas:


10 rabiscos

Sem imagem de perfil

De PR a 14.05.2015 às 10:35

a tua irmã sempre foi estranha.
Imagem de perfil

De Gaffe a 14.05.2015 às 10:41

:)))))
És tão mau!
Imagem de perfil

De Corvo a 14.05.2015 às 12:06

Quem diria. Passei uma vida toda a interrogar-me do porquê de ser a fêmea a predar, e com uma clarividência verdadeiramente ímpar, a Gaffe veio derramar sapiência ao mundo.
Trata-se, portanto, de uma questão de eficiência, apenas.
Imagem de perfil

De Gaffe a 14.05.2015 às 12:19

:))))
Apenas, meu querido Corvo. Apenas.
;)
Imagem de perfil

De anacb a 14.05.2015 às 13:43

e há aquelas que vão calmamente tecendo a sua teia, assim como quem não quer a coisa, e quando a vítima dá por si já não tem salvação possível: espera-a uma morte lenta, digerida pedaço a pedaço, até apenas dela restarem leves vestígios de amor próprio :)))
Imagem de perfil

De Gaffe a 14.05.2015 às 13:45

Sim.
São as mais assustadoras e muitas vezes as mais inteligentes.
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 14.05.2015 às 14:14


Tenho de aprender a ser predadora.
Imagem de perfil

De Gaffe a 14.05.2015 às 14:34

É genético.
;)
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 14.05.2015 às 15:45

Oh!
Há quem diga que mostrando disponibilidade, apanham.
Eu não sei o que isso é.
Imagem de perfil

De Gaffe a 14.05.2015 às 15:49

Marota!
Todas as mulheres, em maior ou em menor grau, sabem perfeitamente o que isto é.
;)

Comentar post





  Pesquisar no Blog

Gui