Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe shakespeariana

rabiscado pela Gaffe, em 05.08.16

Carmelo Blazquez Jimenez.jpg

Acabei de reler Hamlet.

 

Confesso que Shakespeare sempre me assusta um bocadinho e este macabro príncipe dinamarquês é uma das suas figuras mais ínvias, mais esconsas e mais complexas, sem nunca deixar de ser uma das mais perfeitas criações literárias de toda a Literatura universal.

 

Ninguém como Hamlet, em página conhecida, atravessa a loucura, real e imaginária, tocando aquilo que é opressivo, sofrido ou em fúria. Ninguém é tão angustiantemente vingativo, amoral e imoral, retendo nas mãos em simultâneo uma espécie de ética individualizada arrasadora e muitas vezes mórbida.

 

Sempre me incomodou imaginar este príncipe que acaba por entregar, de acordo com a crítica, a coroa da perfeição literária à peça mais longa de Shakespeare. Sempre tive algum receio de o visualizar. Esperava sempre que me entregassem as visões que encenadores e realizadores dele tinham, até que de repente me esbardalho contra o único Hamlet que acolheria sem sombras e sem peias no meu principado. Não é propriamente muito soturno, mas tem a caveira para balançar.

 

Depois disto, nenhuma rapariga esperta é capaz de dizer que ler não é sexy.  

 

Foto - Carmelo Blazquez Jimenez

 photo man_zps989a72a6.png


Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.





  Pesquisar no Blog

Gui