Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


As pessoas raras

rabiscado pela Gaffe, em 19.01.18

As pessoas raras

 

A minha professora mandou-nos fazer uma composição com as pessoas que a gente tinha de procurar porque são pessoas raras. Fiquei muito aflito já que não sou grande coisa a encontrar gente honesta e para dizer a verdade mal dou um pontapé numa pedra só me sai pessoal que faz o vigarismo. O vigarismo é um trabalho muito bom que não dá muita canseira e dá muito dinheiro por isso há muita mas mesmo muita gente nessa profissão. A gente rara é pobre. Aqui está uma coisa que não entendo. Há gente que anda no vigarismo é rica e não é rara então as pessoas que não têm um euro para dar aos arrumadores  é que são raras porque gente rara não fica rica mas a verdade é que não são raros porque há muitos pobres. Isto é complicado e já sei que vou levar nos dentes que estas coisas de andar a atrapalhar é muito feio. As crianças não devem andar a desfazer nos adultos como a cachopa do supernane que a minha prima Idalina disse que devia ser enfiada num contentor de merda logo ali ao lado da avó e da progéritora. A minha mãe quando viu aquilo até disse porra se um filho meu me fizesse um cisco daquilo que esta macaca faz à mãe levava com um pano encharcado numa tromba d’água pela mona abaixo que até passava a julgar que era um dos meus miúdos. A minha mãe não gostou da supernane porque não gosta lá muito de senhoras finas com a mania que são boas e que dizem às mães que uma chapadona é coisa que só as crianças podem dar às mães e que a educação só se faz treinando a cachopada com coisas coladas no frigorífico. A minha mãe normalmente o que cola no frigorífico somos nós mas à chapada quando eu e o meu irmão arrebitamos a bolinha. Já o meu pai é mais calmo e não se mete em coisas de mulheres e da escola. A minha prima Idalina acha que deviam era chamar a senhora dum berlogue que tem uns filhos que são uns anjos lindos lindos lindos. Essa é que sabe educar que a gente vê nas fotografias que a senhora mete no berlogue. A minha mãe ficou furiosa e disse que essa também mamava com um ciclone nas melenas para ver se aprendia a deixar os filhos mexer na merda que faz tão bem ao sistema imundopressivo e até está mesmo à mão logo ali na fralda do mais pequeno. Era essa ou a senhora que recebeu a Dona Cavaca e a Dona Letissa que também é uma rainha magrinha como a Queite Moça que é a princesa do povo. A senhora que recebeu a dona Cavaca e a rainha Letissa mandava nas pessoas raras e portanto o assunto ficava arrumado e a minha composição muito bonita. Mas não. Foram logo dizer que também andava no vigarismo e que por isso não era rara. Era rica. Os raros são honestos e ficam pobres. Cá está a coisa que não entendo. O vigarismo deve ser assim como o azédio. Anda tudo atrás do mesmo. O meu primo Zeca anda todo borrado porque tem medo que a Micaela diga nos tuistes que o meu primo lhe apalpou o rabo assim de raspão na festa de Santa Ingrácia que é a patroneira cá da terra. Andam a imitar os homens de Holiude e depois queixam-se que os cus que apalparam tinham vespas. Eu acho que deviam era meter a senhora supernane na IURDE. Só se estragava a casa do bispo. Com um bocado de sorte recambiavam-na para a América para casa daquelas pessoas com muitos filhos presos para ensinar os pais a colar merdas no frigorífico e sapos na paredes. Ninguém dava por nada que aquilo é muito vigarismo a monte. Eu gosto muito das pessoas raras.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)


25 rabiscos

Imagem de perfil

De Edite a 19.01.2018 às 16:20

Muito bom!
Imagem de perfil

De Gaffe a 19.01.2018 às 18:53

A professora do Gui não achou.
:(
Imagem de perfil

De Psicogata a 19.01.2018 às 17:46

Obrigada por este texto, que bela forma de ter bom humor para o fim-de-semana, de gargalhar espontâneo tenho os neurónios agitados de tanto rir.
Imagem de perfil

De Gaffe a 19.01.2018 às 18:52

Mas olha que o Gui escreveu isto muito sério. Vai ficar triste quando souber que te riste...

;)*
Imagem de perfil

De Fátima Bento a 19.01.2018 às 18:48

Brilhante. Rástaparta que escreves cumóraio.
Imagem de perfil

De Gaffe a 19.01.2018 às 18:51

Não fui eu! Foi o Gui!
:)))
Imagem de perfil

De Fátima Bento a 19.01.2018 às 19:36

Eu estava a a falar com o Gui! Olha....convencida!
Imagem de perfil

De Gaffe a 19.01.2018 às 20:30

:DDD
Ai, desculpa!

(Fabulosa resposta a tua!)
Sem imagem de perfil

De Be a 19.01.2018 às 20:55

O que eu gosto do vigarismo do Gui, coisa rara.
Imagem de perfil

De Gaffe a 19.01.2018 às 23:20

Parece-me um "vigarismo" um bocadinho ingénuo.
:)
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 19.01.2018 às 21:19

Um aplauso para ti, Gui.
Nem sabes o quanto te admiro.
Imagem de perfil

De Gaffe a 19.01.2018 às 23:18

O Gui também gosta muito de si.
:)*
Imagem de perfil

De Quarentona a 19.01.2018 às 23:53

E eu também te adoro, Gui
Imagem de perfil

De Gaffe a 20.01.2018 às 09:07

O Gui dica muito feliz. Também gosta de ti, mas não diz porque podes dizer que é "azédio".
Sem imagem de perfil

De Carlos Berkeley Cotter a 20.01.2018 às 13:14

Que saudades do Gui.
Excelente.
Bom fim de semana.
(vou para ali continuar a rir-me)
Imagem de perfil

De Gaffe a 21.01.2018 às 17:29

O Gui não ficará triste por se rirem das suas pequenas composições?
;)
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 21.01.2018 às 09:52

Não sei do que gostei mais: se do azédio, se dos berlogues, se da supernane.
:)))))


No final das contas o que gosto mesmo é deste caso raro chamado Gui.

; )
Imagem de perfil

De Gaffe a 21.01.2018 às 17:28

Eu gostei dos berlogues.
:)
Imagem de perfil

De Novembro a 21.01.2018 às 17:43

O Gui é um miúdo inteligente. Excelente!
Imagem de perfil

De Gaffe a 21.01.2018 às 18:42

É esperto, mas confunde muito muitas coisas.
:)
Imagem de perfil

De Gaffe a 21.01.2018 às 22:35

Faz por ser.
:)
Imagem de perfil

De Corvo a 22.01.2018 às 15:42

Estás aqui estás a candidatar-te supernane.
Ai estás estás!
Imagem de perfil

De Gaffe a 22.01.2018 às 20:47

Olhe que não. Olhe que não.

Comentar post



foto do autor