Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe de automóvel

rabiscado pela Gaffe, em 07.11.18

11.jpg

Quando nos abrem a porta de um Mercedes 300D, ficamos com receio que a criatura, por mais clássica que seja, nos obrigue, depois de sentadas, a meter os pés à estrada e a desatar correr para chegar ao destino.

Se o nosso receio vem acompanhado pelo orgulho do dono que nos segreda:

- É um W123!

É conveniente deixar escapar de olhos muito abertos um AHAHAH! prolongado, com um tracinho de grande admiração misturada com uma pitada de deslumbramento e outra de surpresa.

 

É sempre muito eficaz, sobretudo quando não fazemos a mínima ideia de que porcaria se está a falar.     

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe conventual

rabiscado pela Gaffe, em 23.10.18

1 (1).jpg

 

No epicentro de uma das discussões actuais, para além de várias inutilidades, surge aquela que parece ter origem nos códigos de vestuário que - diz-me um amigo -, foram dissecados por Barthes.

 

É maçador debruçarmo-nos aqui sobre os ditos do pensador, até porque a Gaffe não está a usar soutien e depressa se distrairia. Vale, no entanto, ser considerada bagatela digna de anotação registarmos a verdade na santa expressão O hábito não faz o monge.

 

A Gaffe, na sua azáfama empacotada, descobre que uma imensa percentagem do seu guarda-roupa provém de Teresa Martins. A Gaffe perde-se com as texturas, com os pesos diversos e cortes assimétricos, endoidece com as sobreposições, enlouquece com os padrões, desvaira com as cores e com os acessórios, perde o juízo com os volumes e treslouca com a capacidade de contrair e descontrai, construir e desconstruir arquitecturas susceptíveis de uso quotidiano, pessoal e único.

 

A Gaffe, dobrando as saias e vestidos e casacos e tudo o mais que não se diz por ser exagerado, vai anotando a descoberta. Teresa Martins desenha personagens absolutamente ímpares no que diz respeito à capacidade de fomentar imagens de descontracção, conforto, liberdade, dinamismo, subtiliza e um respeito irrepreensível pela feminilidade.

 

A Gaffe vai reconhecendo que o facto de a considerarem muito livre, muito dinâmica, muito cool, muito descontraída, muito acessível, muito solta, muito dada, muito urbana, muito familiar, muito portuguesa, muito calorosa, muito emocional e muito emotiva, se deve muitíssimo ao hábito que esta autêntica freira vai usando.

 

Um erro de apreciação.

 

Meus caros, a Gaffe é fã de Teresa Martins, mas convém ter em conta que até nos conventos e mosteiros há gente habitada por Cavaco Silva, às Quintas-feiras e nos outros dias.         

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe a meio do mês

rabiscado pela Gaffe, em 03.10.18

 

Sem Título (2).jpg

A Gaffe suspeita que este andar de lá para cá e de cá para lá, com coisas pesadíssimas que as empregadas carregam para a mala do carro, a está a cansar imenso e a confundir a visão.

Na autoestrada, a Gaffe sobe o mavioso olhar para um letreio luminoso que a deixa perplexa.

Em letras desenhadas a amarelo, sobre um fundo negro, esta rapariga lê:

 

  Até 15 de Outubro é proibido fazer queixinhas  

 

A Gaffe pensou recuar para reler o espanto, mas um psicopata qualquer que seguia logo atrás decidiu de repente desatar a buzinar como se lhe tivessem rompido as águas. Há gente que não merece que se lhe altere a morada fiscal para Pedrogão. Gente que não sabe relaxar, não deve ter casa de férias. Monstros que podem perfeitamente provocar estragos, assustando as pessoas giras com as cornetas do Apocalipse.   

A Gaffe ficou irritadíssima, desistindo mesmo de confirmar o absurdo que tinha acabado de ler.

 

Foi intrigada o resto do caminho.

 

Será que é uma pitada de humor daquelas pessoas que gerem as ruas em que uma pessoa não paga portagem, porque pode usar a via-verde? Toda a gente sabe que são criaturas com um sentido de graça retorcido e ligeiramente parvo - basta para o provar o facto de a deixarem passar naquelas cabinas estreitíssimas e sem ar condicionado, logo ali nas entradas e saídas, com umas pessoas dentro não se sabe bem a fazer o quê, sem um pau que a impeça, apenas porque tem uma caixinha colado no vidro. Há gente que não merece o aumento do ordenado mínimo. Vadios!

 

Será que é uma indirecta à mulher que acusou Cristiano Ronaldo de abuso sexual, de violação, depois de acordar receber do rapaz uma ligeira fortuna para que não abrisse a boca - deixando-a confusa, pois que tinha recebido ordem contrária, algures no mato da festarola do menino d'oiro? Uma prostituta, uma tipa que sabe para onde vai - a Gaffe já ouviu, mais uma vez, esta referência criminosa, mais outra vez, a ilibar um criminoso -, pode perfeitamente ser violada. O menino é apenas vítima de bullying. Mais uma vez, não é?

 

Será que as pessoas que gerem as ruas onde está o letreiro - pervertidos que espreitam por imensas câmaras que fazem um carro apitar de repente como se fosse uma ambulância fanhosa e deprimida -, sabem que a Gaffe morre de amores por guardas prisionais altos, morenos, barbudos, musculados, suados, fardados e com imenso casse-tête, mas que depois do 15 de Outubro já não pode ser apanhada pelas malhas da Lei, por se encontrar desde a véspera num paraíso que não tem aquela maçuda possibilidade de extradição sabem os deuses para onde. Maldosos!

 

As hipóteses espalham-se pelo lugar do morto, onde morrem de tédio.

 

A Gaffe, chega ao destino pronta a engolir um Vallium, tão nervosa que estava, e, envergonhada pela mana, descobre que existe no cérebro um dispositivo nojento que decide apressar a leitura de uma palavra que se adivinha, não se chegando a acabar de ler.

 

O letreio afinal proibia queimadas. O M foi lido como X - as rodinhas gordinhas e amarelinhas sempre foram rabisqueiras -, e o resto foi suposto de imediato.

 

Afinal, pelo menos até dia 15, a Gaffe está livre do fogo. Depois Santa Joana das fogueiras francesas poderá ser queimada em nome dela.  

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe anelada

rabiscado pela Gaffe, em 28.09.18

DOURO.jpg

 

A Gaffe está pronta.

 

O apartamento desnudou-se finalmente. A luz ocupa o soalho espalhada por uma dimensão que se desconhecia. Parece mais pequeno agora aquele espaço. Incongruentes são as percepções das gentes.

 

Na véspera escolheu a blusa azul-petróleo, fresca, laçada no pescoço, larga e sem mangas. As calças são ferrugem de linho e seda, perto do corpo. Afuniladas, dizem os que sabem. Os caracóis presos por um lenço cor de girassol, deixam-lhe o rosto livre, olhos abertos banhados pelo mar. Tem os sapatos sozinhos a um canto. Não os calçou ainda. Ainda é cedo. Ainda há tempo para molhar a água. Ainda há tempo para queimar as cores.

A Gaffe respira fundo o fundo da saudade, aquele donde parte a bebedeira dos vagabundos que deixaram de chorar em todas as partidas - as da vida e as deles, que são coisas diversas.

A Gaffe roda o anel com pérolas. Estranhou-lhe o peso mal lho deram. Pousa-o no chão, como se deitasse uma criança. À espera, adormecido junto dos sapatos. Voltarão a andar em breve, mas ainda há tempo para os pés descalços sem o peso do anel que vão suster.

 

Dizem que é de noiva.

A Gaffe é uma noiva. Dizem que sim e ela não se importa.

 

A Gaffe está pronta.

O carro chega por fim e fica à espera. A Gaffe desce depois de olhar o mar e de o deixar no soalho aberto em luz anil antigo.

Vai dizer adeus ao Douro e pedir que a terra lhe abençoe o coração das pérolas que pesam.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe adjectivada

rabiscado pela Gaffe, em 27.09.18

Gaffe (2).jpg

É certo e sabido que os rabiscos da Gaffe estão pejados de adjectivos e de advérbios. Uma coisa tremenda que foi desde sempre apontada como desgraça para o bom fluir de um texto. Também é evidente que a Gaffe sempre teve perfeita noção da ocorrência e nunca levantou o dedo da tecla para evitar a desfaçatez. Esta rapariga não gosta de se desgastar com o gosto dos seus críticos, nem tem a intenção de elevar rascunhos tontos ao nível dos escritos dos contidos consagrados. É o que se poderá chamar um vê se te avias de adjectivação.   

 

A Gaffe aproxima-se desta forma das figuras curiosíssimas que de quando em vez trespassam os nossos areais, vendendo bugigangas. Capazes de enfrentar a maior canícula e os mais agressivos raios meridionais, estes senhores pisam brasas carregados de varapaus onde pesam centenas de inutilidades que incluem lenços de coloridos gigantescos, óculos de sol, fios, pulseiras, estatuetas africanas, elixires capilares, berloques, quinquilharia marítima, destroços de automóveis, saídas de praia para matizar gorduras, vestidinhos de alças e de bordado inglês feito na China, mantas da Covilhã, bronzeadores e uma ou outra fotografia de Mapplethorpe apanhada no caixote do lixo de Serralves.

 

A Gaffe não tem qualquer prurido em ser literal e literariamente comparada a estes corajosos vendedores de banhas de praia.

O que a aflige - de forma ligeira e muito precavida, pois que a Gaffe é muito dada a  brunouts repentinos -, é ver-se próxima daqueles senhores que aparentemente não vendem frandulagem, mas que a usam por todo o lado. O importante é que se consiga avistar a olho nu – para contrastar.

 

É evidente que os excessos femininos são condenáveis, mas nós, raparigas, podemos sempre dizer que carregamos a herança cultural de legiões de druidas. Fica bem e ninguém se atreve a passar por inculto. O dente encastrado em ouro que trazemos ao pescoço, que arrancamos à chapada a um passado recente, turbulento e barbudo, é visto como um chamariz da aura ancestral emanada pelos barbeiros, alquimistas ainda imberbes, chegado da escura, densa e esconsa Idade Média.

Com os homens estas preformativas justificações não resultam.

 

Um rapagão que se disfarça de mostruário de farraparia é, por norma, excluído da selecção de rapazes que podem ser despidos por raparigas muitíssimo empáticas, ou demasiado sociáveis nas noites das iguanas.

Os berloques, as medalhas, os anéis nos dedos e os penianos, os botões de punho, os alfinetes, os pins nas lapelas, as pulseiras, as correntes, as fitas nos punhos, as fitas ao espelho, os cintos complexos de fivelas torpedeiro, os picos das botas, os piercings nos mamilos e príncipes nas pilas, as coisas pendentes e as tretas sem dentes, os brincos, os aros, argolas nasais e as depiladas pernas que reluzem de noite, são provas cabais dos crimes que os donos cometem quando desatam a acreditar que é atraente a Feira da Ladra.

 

A Gaffe propõe que toda a fancaria usada por estes rapazes-mostruário, seja neles tatuada. Poupa imenso tempo, não oxida, não sai, nem vai, não foge, não escorrega, não se perde, não se ganha e contribui para que se cumpra o desiderato de toda esta gente à beira mar exposta. Em 2020, os portugueses terão todos uma tatuagem algures e uma selfie com Marcelo.  

 

A Gaffe dá o exemplo e tatua adjectvos e advérbios.                        

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe taxista

rabiscado pela Gaffe, em 25.09.18

Nina Leen.jpg

- Mas afinal, minha amiga, o que é um táxi?

 

Fotografia - Nina Leen

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe em agonia

rabiscado pela Gaffe, em 24.09.18

DD.gif

 

A Gaffe acaba de saber que o Daffy Duck só fazia sexo com lençóis pretos. Nada de patas.

 

Mais uma infância barbaramente destroçada.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe num voo

rabiscado pela Gaffe, em 06.07.18

12 (1).jpg

Regresso finalmente à luz da superficie plana que fora de mim suporta o que de frio tem a vida inteira, como que chegada a um corpo numa manhã de tronco nu.

Regresso ao corpo da manhã de tronco nu. À curvatura do peitoral esquerdo onde lateja com mais força o coração. Batida certa, compassada e branda.

Regresso ao corpo de Paris como quem se perde, como quem espera num porto o marinheiro que se quebrou no mar, ou dentro da orquídea da nuvem sobre as ondas, e abro as mãos despidas sobre a pele até a pele doer devagarinho, até sentir os peixes dentro dela, retorcendo escamas, reflectindo a lua e mordendo a água que é suor e pedra.

 

Lá fora a minha Avenida passa por mim e entra no meu peito.

Desenho no vidro da partida a saudade que chegou precipitada. Sempre adiantada, a saudade em mim! 

 

Durante todo este tempo de interregno, um tempo da Avenida com um nome tropical, um tempo de Ribeira Negra e gritos de gaivotas, esperei sem destino ou marca, quieta e obediente, que dentro de mim se rasgasse uma janela que perdesse o que fui, quase consciente da minha vacuidade e da inutilidade dos meus olhos. Durante o tempo da Avenida não fiz perguntas a não ser por dentro, sem nunca me esquecer por um instante que a alma não responde ao ritmo do bater do coração da dúvida.

 

Olho agora este meu Porto quieto e percebo o modo como se fechou cobrindo em mim aqueles que passavam. Um imenso cão de guarda de sentinela a um berço.

 

É tempo de me entregar a outra luz e nenhuma outra luz me lavou o corpo como a de Paris.

Paris dentro da chuva, solta nas ruas, presa nos telhados, procura a minha alma para se abrigar e vai encontrar a minha Avenida coberta de mar agarrado às pedras e um Porto inseguro com sabor a vento.

 

Espera-me a madrugada de Paris sobe os telhados que doura a saudade do Douro no meu peito. Cachos de janelas, parras de cortinas e a quietude dos socalcos dos andares onde canso os olhos na subida. Paris despovoada na Avenida e um rio no voo do pardal. A concertina num cesto de vindimas e o meu corpo nu na valsa de calcário.

 

Cet air qui m'obsède tour et nuit
Cet air n'est pas né d'aujourd'hui
Il vient d'aussi loin que je viens
Traîné par cent mille musiciens
Un jour cet air me rendra folle
Cent fois j'ai voulu dire pourquoi
Mais il m'a coupé la parole
Il parle toujours avant moi
Et sa voix, couvre ma voix

 

Padam, padam, padam…

 

 

Il arrive en courrant derrière moi,
Padam, padam, padam, il me fait le coup de «souviens-toi»
Padam, padam, padam, c'est un air qui me montre du doigt
Et je traîne après moi comme une drôle d'erreur
Cet air qui sait tout par cœur.
Il dit rappelle-toi tes amours
Rappelle-toi puisque c'est ton tour
Il n'y a pas de raison pour que tu ne pleures pas
Avec tes souvenirs sous le bras
Et moi, je revois ce qui reste
Mes vingt ans font battre tambour
Je vois s'entrebattre des gestes
Toute la comédie des amours

 

Padam, padam, padam, des «je t'aime» de quatorze juillet
Padam, padam, padam, des «toujours» qu'on achète au rabais
Padam, padam, padam, des «veux-tu, en voilà» par paquets

 

Et tout ça pour tomber juste au coin de la rue
Sur l'air qui m'a reconnue
Ecoutez le chaout qu'il me fait
Comme si tout mon passé défilait
Faut garder du chagrin pour après
J'en ait tout un solfège sur cet air qui bat, 
Qui bat comme un cœur de bois.

 

Piaf (1951)

Música - Norbert Glanzberg

Letra - Henri Contet 

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe sem estatísticas

rabiscado pela Gaffe, em 27.06.18

est..gif

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe estampada

rabiscado pela Gaffe, em 27.06.18

Sophie Malgat Litvak, Photo by Philippe Pottier, 1950.jpg

Quando a Gaffe vai visitar os pobrezinhos, protege-se imenso. Há aglomerações de bactérias muito resistentes nos montes onde esta população habita e uma rapariga de boas famílias arrisca-se a ficar doente. Pelo sim, pelo não, a Gaffe procura agasalhar-se o mais possível, tendo em consideração que esta gente espirra e tosse sem sequer ter o cuidado de colocar a mão à frente da boca. Apesar de suja e repleta de micróbios e de terra, uma manápula a servir de barreira entre nós e a porcaria, é aconselhável. Não bastam as galochas. Um casaco de peles é de acrescentar, pois que os pobres – que nunca se depilam - acreditam que somos iguais e desinteressam-se. Podemos ser caridosas sem receios.

 

Convém, contudo, não exagerar na restante indumentária.

É de considerar não esfarrapar o maravilhoso capital simbólico que detemos com um lapso de outfit. Uma rapariga esperta sabe que é desagradável ir acompanhada por Letízia de Espanha numa visitinha rápida aos migrantes que Roma não conseguiu receber dada a época de veraneio que esgota toda a oferta hoteleira, com uma t-shirt com o Italians do it better - e os deuses sabem que é verdade - estampado nas mamas. Reconhece também que não é de todo conveniente ter o  They don’t give a fuck about you cravado na carteira trash-chic Prada quando se vai ouvir o Guterres discursar a favor dos pobres que agora decidiram atravessar o Saara sem protector solar.

1.b.png

A Gaffe admite a existência de códigos de vestuário muito maçadores que não devem ser quebrados, a não ser que queiramos provar que se fundiram todas as nossas ligações sinápicas na longa e penosa procura de alguém capaz de nos oferecer o casaco de peles com que nos protegemos dos pobrezinhos, ou que, contradizendo os maldizentes, somos no fundo - ou nas costas -, realmente muito genuínas, muito verdadeiras, e não estamos cá para enganar ninguém, embora tenhamos perdido por completo toda e qualquer noção do que andamos a fazer.

 

Apesar de na esmagadora maioria das vezes não ser aconselhável vestir aquilo que pensamos, a Gaffe não é apologista do abandono completo dos dizeres estampados naquilo que se usa - seria um encanto ler o ternurento Não matem os velhinhos  bordado a ponto de cruz na pachemina.

 

Há que reconhecer que acima de tudo um slogan não passa de uma tolice e, se for uma tontice bem pensada, pode coadjuvar da melhor forma possível uma aventura casual e inconsequente.

Sem Título (1).jpg

O resto, tudo o que é usado sem critério, é só mau gosto.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe em Cooper's Hill

rabiscado pela Gaffe, em 01.06.18

A Gaffe, de forma a tornar mais assertiva e consensual a eleição dos membros das - pelo menos estas -, centenas de comissões de inquéritos fundeadas no Parlamento, recomenda a adopção do método usado pelos queridos de Gloucestershire. É tudo muitíssimo mais democrático quando ficam demonstradas desta forma, e seja em que circunstância for, a perícia e a competência dos representantes do povo, assim com é certo e sabido que os escolhidos resistem a todo o tipo de pressão e força de bloqueio - sobretudo a centrifuga e a da gravidade.

 

De sublinhar que esta proposta acolhe a anuência de figuras de todos os quadrantes sociais e políticos. Temos, à laia de exemplo, ao minuto 0.35, António Costa - que de tão optimista, perde a cabela -, e logo atrás o Batman (1.43), seguido de Salvador Sobral que fazem questão de nos mostrar como são particiativos e, ao minuto 2.07, Rui Rio exibe toda a sua pujança. Reportamos também imensos adeptos, quer do Sporting, quer do Benfica, a Cinha Jardim (2.40) seguida por Sócrates (2.50), por Jerónimo de Sousa - a tentar salvar o gorro russo - ao minuto 2.30, pelo padre Borga (3.22) e por Catarina Martins (logo ali ao minuto 4.55). 

 

A Gaffe não pode deixar de destacar, no entanto, Assunção Cristas que, ao minuto 5.15, nos prova como é possível chegar rapidamente a resultados altamente positivos se as almofadas - económicas ou outras -, estiverem em condições de enfrentar qualquer tipo de embate e se o outfit for apropriado.

 

 

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe muito criativa

rabiscado pela Gaffe, em 30.05.18

gaffe (1).jpg

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe alterada

rabiscado pela Gaffe, em 28.05.18

alteração.jpg

Quando de encontro a nós chega o instante que nos altera a vida, por uma vez que seja, por um espaço apenas ou por capricho ou teima, lugar do amor ido ou recém-chegado, não podemos crer que a alma que agora vive em nós, é outra, nova, entregue pelo instante que a alterou.

A alma é a mesma - a fluir no tempo já marcado ou ido -, e os instantes nela são gravados como inevitável coisa.

 

Nós é que a pensamos.  

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe numa história de amor

rabiscado pela Gaffe, em 23.05.18
 

vietnam-mu cang chai.jpg

Não há histórias de Amor se não forem magoadas. O Amor Feliz não tem narrativa. A Felicidade é analfabeta.

 

Sei de uma história de Amor coberta pelas sombras. Não a sei contar, porque devo ser feliz, ou porque há vendavais ensandecidos que emudecem na história de Amor que eu não sei contar, ou porque há covis onde as palavras estremecem, se acanham e definham, diante daquilo que é suposto ter palavras.

 

A história de Amor que eu não sei contar não tem começo. É como um rochedo. Nunca lhe conhecemos o início. O nosso limite está na paisagem que dele se avista e isso basta.

A história de Amor que eu conheço tem um rapaz lá dentro. Um rapaz de silêncios e penumbras que passava pelas portas quase sem abrir e que se reproduzia nas janelas, afastando pesados cortinados de veludo, para debruçar os olhos leves, indiferentes, sobre os montes pesados aos soluços. Era um rapaz breve. Passava pelas vidas tenuemente e não deixava rasto dos seus passos nas tábuas dos soalhos e das almas. Tinha saudades, diziam, da lonjura, de cidades que brilham no escuro e de jóias pintadas por flamengos. Tinha cansaço nos gestos, tédio nos olhos, enfado no sentir. Tinha promessas fatigadas de manhãs que nunca despertavam, juras afogadas no lago onde passava para dar comida aos peixes. Tinha gerânios e jarros para cuidar, na boca a textura de todos os jardins e tinha uma pérola presa por um fio, um anel de ferro e uma mulher, cega de Amor, aos pés.

 

Quando o rapaz morreu, ninguém ouviu falar da Morte. Fez-se o Silêncio.

 

O corpo veio de longe e foi fechado.

Depois cresceram árvores na mulher. Árvores que deixam o vento passar por entre os ramos de modo a que se ouça a voz do morto.

 

É uma história que eu não sei contar.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe com a taça

rabiscado pela Gaffe, em 21.05.18

marlene-dietrich-e1410903838239-1024x734.jpg

O modo mais rápido de obtermos uma resposta é formularmos uma só pergunta de entendimento imediato.    

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:


foto do autor